Sobre a esperança …

… que teimosa permanece apesar de tudo. 

Sobre os sonhos…que tantas vezes nos parecem impossíveis de alcançar. 

Sobre o medo… que às vezes teima em chegar ao coração.

Sobre a dor… de sentirmos que falhámos, que algo em nós falhou.

Sobre a coragem… que tanta vezes nos falta para enfrentar os nãos da vida.

Este post poderia ser sobre tudo isto, que é real..

Porém este post é sobre paz e certeza.

L.O

Anúncios

Viver sem retoques

Retocar fotografias é hoje em dia prática corrente.

Regra geral quem é fotografado nunca gosta de se ver, daí que seja tão atraente a ideia de poder dar um jeitinho na fotografia de forma a ficar mais ao nosso gosto.

Infelizmente, não existem aplicações de retoques na vida.

Os dias passam cheios de acontecimentos, de emoções e decisões que têm de ser tomadas.

Algumas fáceis, outras que mudam a nossas vida e nos arrastam para um turbilhão de sentimentos, umas vezes bons outros nem por isso.

Quantos de nós em certas alturas, não gostaríamos de ter uma aplicação que tornasse um acontecimento menos doloroso e mais bonito?

Quantos de nós em algumas alturas não gostaríamos de apagar e voltar a fazer de novo?

A verdade é que nascemos sem manual de instruções,  para viver num lugar onde alguém apelidou de selva, mas que é muito mais perigoso que a própria selva, por culpa do Homem.

Temos máquinas e aplicações para tudo, mas estamos cada vez mais isolados uns dos outros, cada vez mais fofoqueiros e maldizentes sobre a vida dos outros, cada vez mais egoístas, mais despreocupados, sobre os problemas que afetam os outros.

Vivemos de aparências..

Colocamos uma foto nas redes sociais depois de termos tirados 20 até que uma ficou bem.

Retocamos o brilho e a cor.

Partilhamos o nosso dia, o que comemos, o que visitamos, com quem estivemos a brindar num dia de festa e depois choramos sozinhos fechados em casa.

Damos os parabéns virtuais.

Achamos que quem está online está vivo por isso, pra quê pegar no telefone e saber das pessoas?

Não me interpretem mal.. eu também estou nas redes sociais, coloco o que me apetece, escrevo num blog partilhando o que sinto com quem usa um pouco do seu tempo, para me ler.

Mas, até que ponto não estranhamos certos posts que são autênticos pedidos de socorro nas redes socias?

Pessoas que dizem estar a sentir-se destroçadas, tristes, com depressão, sozinhas, doentes?

Até que ponto deixamos de ser humanos, para sermos apenas dependentes de um telefone, um tablet ou um computador?

Até que ponto nos esquecemos que por trás de um ecrã estão pessoas infelizes, sem esperança, sem amigos verdadeiros, sem apoio, mas que por vergonha ou medo não partilham com ninguém o que sentem?

Até que ponto deixamos de ter tempo para viver vidas reais para vivermos vidas virtuais?

Precisamos de ter tempo para nós mesmos, para respirar fundo, para ganhar forças para continuar a caminhar.

Precisamos ter tempo para os que realmente nos amam e se preocupam connosco que são muito poucos comparando com o número de amigos virtuais que temos nas redes sociais.

Precisamos cuidar dos que nos rodeiam, ouvir as pessoas, saber como estão.

É que viver é como tirar fotografias, mas com máquina de rolo fotográfico. Para vermos as boas temos de revelar o rolo todo.

Umas ficam bem, outras mal, algumas desfocadas, outras sem brilho, algumas tristes, outras cheias de alegria, algumas sem sentido, outras cheias de significado.

Mas um dia o rolo acaba, e ali fica a nossa história.

Se a nossa vida tem sido uma série de fotos que não vale a pena revelar, então, antes que o rolo termine, está na hora de mudarmos as coisas.

É que a vida não vem com retoques, por isso sábio é aquele que escolhe sempre o melhor ângulo.

Até breve.

L.O

 

0-cats-rolo-de-filme-cinema-tumblr